O futuro que não chegou

Aceito o risco de parecer repetitivo. Diante das grandes questões que preocupam mais em nosso país, a originalidade do articulista fica em segundo lugar. Estamos atravessando dias pesados, um ambiente de insatisfações e sombras. Os mais jovens sentem-se angustiados diante das incertezas do futuro, da ameaça de desemprego, da falta de horizontes. Os mais velhos tentam lembrar-se daqueles períodos em que o Brasil não atravessava um estado de crise permanente. Salvo alguns breves anos do começo do Plano Real, parte da Era Kubitschek e o otimismo do “milagre econômico” do fim dos anos 60 – que, no entanto, foi tisnado pela situação política de exceção –, todo o resto de nossa história contemporânea é um confuso mosaico de problemas e condições institucionais instáveis.

O parágrafo acima não é meu, nem é de agora. É a introdução feita por Roberto Campos em artigo publicado no dia 9 de janeiro de 2000, portanto, há 19 anos. Se esse texto fosse publicado hoje, ele seria válido e uma descrição perfeita dos dias atuais. Citei-o a um amigo que ficou indignado porque afirmei que o Brasil levaria uns 250 anos para se tornar um país desenvolvido no nível da Alemanha. Fui rotulado de pessimista.

A questão é que, por ter uma área territorial gigantesca (maior que a Europa inteira), um povo flexível e dispor de recursos naturais abundantes, o Brasil parecia destinado à prosperidade e um belo futuro econômico e social. Nesta época de eleições, em que todos os candidatos falam de sua confiança no país, quem disser o contrário parecerá um sujeito pessimista e de mal com a vida. Espantado diante de minha resposta, coisa que é somente uma hipótese, pois não tenho bola de cristal nem creio muito em previsões, aventurei algumas explicações.

A questão não é somente política e econômica, é também de natureza cultural. Mencionei um texto do filósofo Olavo de Carvalho, que chama a atenção para o fato de que tentar entender a pobreza, o atraso econômico e a degradação da vida social no Brasil apenas pelos meandros da economia e da política é um equívoco. Embora com abundância de recursos naturais, o país está mergulhado em uma miséria cultural que o tem impedido de sair da eterna condição de pobreza, atraso e violência.

Olavo explica que, no Brasil, há noção errada do que seja “cultura”, entendida pelas pessoas como artes e espetáculos, que, na prática, se resume a três funções: dar um bocado de dinheiro a quem os produz, divertir o povo e servir de canal para a propaganda política, geralmente de esquerda. E se um artista cumpre essas três funções, isso basta para ele ser rotulado de “gênio”. Mas cultura não é isso. No dicionário, é o conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos e costumes que distinguem um grupo social.

A degradação cultural brasileira é notória, e as elites empresariais, políticas e militares estariam tomadas de uma inconsciência progressiva ao não tomarem consciência de que são elas as primeiras vítimas dessa degradação cultural. Segundo o filósofo, a cultura seria a estrada pela qual as pessoas se tornariam mais inteligentes, mais sérias, mais adultas, mais responsáveis por suas ações. E acrescento eu: mais autônomas, menos dependentes dos favores e esmolas do Estado (que só dá para uns o que retira de todos) e menos amantes da intervenção estatal na vida das pessoas. Comentei ainda que o Brasil se tornou especializado em fazer tudo “mal feito” (no sentido de baixa qualidade) e a única produção que cresce são os “malfeitos” (corrupção, homicídios e desvios).

O país não consegue sequer redigir de forma lógica e clara uma lei simples, como é caso da lei de candidaturas. Se qualquer condenado em duas instâncias e já na prisão cumprindo pena pode pedir registro de sua candidatura à presidência da República; se a campanha eleitoral no rádio e televisão começa no dia 1º de setembro; se as urnas precisam ser concluídas lá pelo dia 15 de setembro; se entre o protocolo de registro, impugnações, defesa, recurso, sentença, novo recurso até a sentença terminativa podem decorrer dois meses, por qual estranha razão a data-limite para pedir o registro é o dia 1º de agosto? Por que essa data não é 1º de junho?

Faz parte da miséria cultural vigente o desprezo pelo conhecimento e a falta de indignação com a ignorância. Olavo de Carvalho tem uma frase interessante sobre o caos cultural dos dias atuais. “O Brasil é talvez o único país do mundo onde a ignorância é fonte de autoridade intelectual”. Não deve ser o único, claro. Mas é um deles. Enquanto isso, o futuro não chega.

José Pio Martins
Economista, atualmente Reitor da Universidade Positivo, comentarista econômico da Rádio CBN Curitiba, editorialista da Gazeta do Povo e é autor dos livros Educação Financeira ao Alcance de Todos (2004) e Seu Futuro (2011), ambos da Editora Fundamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =